Netflix - Street Flow (Banlieusards)

10/29/2019 12:53:00 AM |

Uma obra imponente e completamente necessária, essa certamente é uma das melhores definições que posso dar para o filme da Netflix, "Street Flow", pois o rapper Kery James soube trabalhar em seu primeiro longa definições sociais fortes com um âmbito tão preciso e bem colocado que ficamos com os olhos grudados na tela acompanhando não só o debate de dois jovens estudantes de Direito sobre a culpa do Estado com o que vem acontecendo nos subúrbios da França (e porque não do mundo todo!), juntamente com exemplos críveis acontecendo e envolvendo todos os protagonistas. Ou seja, um filme daqueles que paramos para ver e refletir com tamanha força e desenvolvimento que não tem como não se emocionar, além claro de entregar tudo com tremenda personalidade e acerto para ninguém botar defeito, mesmo que ainda seja algo que peca por se limitar a um eixo só, mas que só de existir já vale a abertura para todos os demais, e com isso o resultado acaba sendo perfeito.

A sinopse em si é bem simples, porém não representa nem 10% do que o filme nos entrega, pois ela apenas nos verte ao jovem Noumouké em sua decisão de qual irmão terá como exemplo: o futuro advogado Soulaymaan ou o mafioso Demba.

É muito interessante ver o que Kerry James ao juntar-se com a diretora de diversos clipes seus Leïla Sy fizeram aqui no primeiro longa-metragem dos dois, pois se lermos algumas letras das músicas do diretor (inclusive a música que leva o nome francês/original do filme é incrível!) veremos que ele sempre trabalha bem o cunho social, a defesa/briga com o Estado, e aqui ele representou de uma forma macro toda essa ideia em seu roteiro, de modo que o filme começa simples, vai se intensificando, e conforme vamos para o grande final com o debate entre os dois jovens vemos uma imposição de ideias tão bem formatadas e ditas com uma precisão tão forte que não tem como não se emocionar, e o envolvimento dos atores é tamanho perto de tudo que o filme quase vira uma bomba explodindo em nossa mente. Claro que pelo andar da trama conseguimos imaginar diversos pontos para onde vão rumar, e isso talvez incomode e faça com que muitos reclamem de algo explicativo demais, mas longe de ser algo de cunho que pretenda desafiar seu comodismo e encaixar somente as ideias do diretor, não, ele vai bem mais longe dando abertura para os dois lados se debaterem e irem com um princípio bem fora do comodismo, mostrando em opostos cada um com suas ideias, e isso fica cada vez mais forte, e mais bem estruturado, que se ele quiser ainda pode trabalhar muitos outros vértices em uma continuação, que certamente será muito bem vendida, e todos irão curtir com muita certeza. Ou seja, podemos dizer que Kerry não apenas estreou bem no cinema, como acertou a mão em cheio, e talvez ainda seja bem lembrado por muitos após esse filme.

Sobre as interpretações, pela sinopse colocaríamos o jovem Bakari Diombera como protagonista, porém seu Noumouké é apenas um grande elo entre os diversos vértices, não que o garoto não tenha se expressado bem, muito pelo contrário, pois conseguiu ter boas cenas, fazer olhares bem certeiros, mas passa longe dos demais, e isso é curioso de ver, pois seus atos chegam a ser os mais perigosos para a trama, e com isso ele soube ao menos segurar bem sua responsabilidade. Agora sem dúvida alguma o destaque ficou para Jammeh Diangana com seu Soulaymaan, que trabalhou sua personalidade, deu um show de eloquência no debate de retórica da faculdade, e com uma dinâmica incrível conseguiu fazer anseios fortes em cada momento seu, criando algo que poucas vezes vimos um jovem fazer na tela, e ainda encontrando olhares tão singelos e bem marcados em cada cena que ficamos emocionados em praticamente todos os seus atos, ou seja, deu show. O diretor Kerry James também entregou bons momentos com seu Demba, mas ele mesmo não quis se destacar, de modo que suas cenas sempre são rápidas, porém marcantes, e com isso acabamos fluindo junto com ele em dinâmicas mais simples quando está na tela, ou seja, foi bem determinado, mas sem fazer alarde. A jovem Chloé Jouannet também fez ótimas cenas com sua Lisa, praticamente fazendo uma dança de vocábulos com o protagonista nas cenas finais, mas também sendo incrível de emoções envolventes nas diversas outras cenas, ou seja, caiu muito bem no papel e não desapontou. Quanto dos demais, diria que todos foram bem, alguns tendo um pouco mais de destaque, outros menos, mas de um modo geral fazendo seus atos fluírem para o bem maior da produção.

O conceito visual da produção teve o foco bem marcado nos subúrbios, destacando os prédios aonde o tráfico domina pelas diversas gangues, mostrando a rotina ali dos envolvidos, e claro também de alguns que nem sequer passam perto dos grupos, porém como o eixo da trama está com um dos líderes, também vemos o preconceito da mãe através de alguns detalhes nas fotos, vemos o eixo que os jovens acabam influenciados, e claro também vemos muito o ambiente de concursos de retórica nas faculdades de Direito (algo já bem comum de vermos em alguns longas franceses, que gostam bastante de destacar as salas imponentes imitando tribunais!), além claro de alguns pontos mais belos para o lado romantizado do filme, ou seja, o ambiente em si não chega a ser tão importante quanto o belo texto da trama, mas foi usado em minúcias também para envolver bastante.

Enfim, é um tremendo filme forte, que raspa a trave da perfeição, e quem leu o texto inteiro conseguirá enxergar o motivo de não dar a nota máxima para ele, mas ainda assim é um filme que envolve, que marca e que nos faz refletir muito sobre tudo o que é passado, tanto que vou deixar aqui o link para lerem a letra da canção que toca ao final e também é do diretor, pois vale muito o que é dito ali. Ou seja, recomendo demais o filme e espero que muitos enxerguem bem o que é passado ali, pois mais uma vez um filme francês bem feito pode ser facilmente passado em branco por muitos, e espero que esse que está na Netflix de fácil acesso para muitos não seja mais um exemplar. Bem é isso pessoal, fico por aqui hoje, mas volto em breve com mais textos, então abraços e até logo mais.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar em meu site... desde já agradeço por ler minhas críticas...