O Vingador do Futuro

8/18/2012 12:45:00 PM |


Muitos amigos já ficam irritados só de saber que um filme é refilmagem de outro, principalmente se for um clássico, no meu caso como mesmo os clássicos esqueço rapidamente o que tenha me chamado muita a atenção nem ligo, e sempre vejo cada filme como se fosse algo novo. Por isso vamos lá falar o que achei do novo “O Vingador do Futuro”. O filme em si, tem uma história levemente complexa, mas que se desenrola de forma auto-explicativa sem problemas, porém a grande sacada do diretor foi criar um visual que em muito lembra “Blade Runner” em algumas cenas e dita uma velocidade de ação tão forte que se o filme fosse 3D seria garantido muita gente passar mal.

O filme nos dá boas vindas à Rekall, companhia que pode transformar seus sonhos em memórias reais. Para um operário de fábrica como Douglas Quaid, embora tenha uma bela esposa, Lori , que ama, a viagem pela mente soa como as férias perfeitas de sua rotina frustrante - memórias reais de uma vida como espião podem ser exatamente o que ele precisa. Mas, quando a operação dá errado, Quaid se torna um homem caçado. Perseguido pela polícia - controlada por Vilos Cohaagen, líder do mundo livre -, Quaid alia-se à rebelde Melina  para encontrar o líder da resistência do submundo Kuato e derrotar Cohaagen.

Lendo a sinopse você pode achar tudo extremamente confuso, mas com alguns minutos de filme, a impressão já muda e tudo começa a se encaixar, sendo fechado de forma bem interessante. O único problema para o pessoal que costuma precisar de um tempo para assimilar as histórias é que o filme é todo no gás da velocidade de ação, parando uma ou outra vez para tomar um fôlego e depois volta na correria, o que faz com que o filme pareça ser mais difícil do que realmente é. Gostei bastante de não ter sido convertido ou filmado em 3D, pois muitas cenas até ficariam bacanas utilizando a tecnologia, mas pelos movimentos fortes de câmera em alta velocidade, faria muitos não se sentirem bem vendo o filme.

Nas atuações, Colin Farrell faz bem seu papel, correndo, pulando e brigando, mas quando a cena pede um pouco mais de interpretação nos diálogos, ele faz como na maioria de seus filmes que atuou, ou seja, extremamente seco, sem dar um ar novo para o personagem, e aí que entra uma das principais lembranças do filme original onde o Schwarzenegger faz uma das suas melhores atuações, e claro a comparação nesse quesito ficou forte. O destaque dessa nova versão, eu colocaria para Kate Beckinsale que faz uma vilã de forma a ficar com raiva e que torçamos para que ela se ferre no final da trama, e como já disse várias vezes em outros posts, esse é o que faz um vilão ser marcado como vilão, não lembro direito como Sharon Stone fez o papel, mas vou rever o filme esses dias e posto nos comentários depois. Kate Beckinsale também agrada em seu papel, apesar de fazer umas expressões de piedade ao estilo Gato de Botas que em alguns momentos chega a irritar. A melhor cena de diálogo, que é um  dos pontos chaves do filme também se deve a boa atuação de Bokeem Woodbine que embora sempre faça pontas em filmes, sempre consegue dar seu máximo de interpretação para que a cena que possa aparecer mais se destaque. Bryan Cranston embora seja o grande vilão da trama, fica meio apagado e acaba sendo apenas um nome no filme que não funcionou.

Agora o grande destaque mesmo do filme é o quesito visual, sem dúvida alguma, as cidades construídas, seja digitalmente ou se ergueram qualquer parte que seja para gravar, ficou perfeita, e nos remete ao futuro que estávamos acostumados a ver nos filmes antigos: cheio de carros voadores, policiais sentinelas, telefones nas mãos e tudo mais que se pudesse pensar. E acertadamente a equipe de arte nos dá um banho de imagens para relembrar isso de forma a sairmos bem felizes com o que vemos em cena. A fotografia conseguiu fazer do filme algo bem interessante, pois trabalhou com 3 cidades de forma bem diferentes, uma escura mas com vários flashes de luz sempre passando pelas frestas nos dá a agonia inicial do personagem, a outra capital cheia de tecnologia mais clara cheia de brilho, e uma terceira destruída onde o amarelo químico das guerras faz com que pareça que um deserto dominou de poeira tudo que se vê. Além claro da cena de chuva onde a referência da melhor fotografia aliada a direção de arte do cinema nos remete ao filme “Blade Runner” com toda certeza foi uma boa sacada.

A trilha sonora é bem variada de momentos tensos, momentos agitados e silêncios contínuos para algo que queira chamar atenção, ao exemplo da cena no piano, que é bem interessante. A opção de não ter trilhas cantadas também foi bem agradável pois manteve o foco no visual e não em algo que pudesse destoar.

Enfim, é um filme bem bacana, não digo que seja algo sensacional, mas analisando ele como um filme novo, sem pensar no anterior e somente em um filme que usou o nome apenas, agrada bastante. Por isso recomendo que veja limpando tudo que se lembra do anterior, que somente assim aproveitará mais. Quanto do nome fique com a versão original americana “Total Recall” que é mais condizente que a brasileira. Bem é isso, fico por aqui, mas hoje ainda tem mais dois posts aqui no blog, aguardem. Abraços e até mais.


2 comentários:

Evil_Man disse...

Apesar de querer esquecer o antigo, fica difícil! Esse novo filme, o que vale a pena mesmo é a Kate Beckinsale e a Jessica Biel.

Fernando Coelho disse...

Olá Evil.. o antigo lembro muito pouco para poder falar que gosto... lembro que pra época foi um marco, pela falta de tecnologia que tinha, mas gostei bastante dessa nova versão... Abraços.

Postar um comentário

Obrigado por comentar em meu site... desde já agradeço por ler minhas críticas...