Tinker Bell e a Lenda do Monstro da Terra do Nunca

2/27/2015 09:43:00 PM |

Quando digo que assisto tudo, alguns amigos ainda frisam o "mas tudo mesmo?". A resposta sempre é a mesma, afinal porquê distinguir um filme de outro? Temos de analisar, e claro alimentar o vício cinematográfico com todas as histórias possíveis que nos for entregue. E aqui, o segredo de uma boa animação da Disney é mantido e adicionado o teor da saga das fadinhas, colocando alguns personagens carismáticos, um ponto de conexão para a história que leva o título, músicas agradáveis e pronto, temos um filme gostoso de acompanhar, curto, afinal a saga foi criada originalmente para passar repetidas vezes na TV, mas sempre com um mote bem feito e interessante. Mas aí vem a pergunta, o que "Tinkerbell e A Lenda do Monstro da Terra do Nunca" se diferencia dos demais? A resposta vem em alto e bom som: TEXTURAS!!! Sério pessoal, se você já achava o Sullivan de "Monstros S.A." algo perfeito, o que fizeram com esse monstro do filme foi algo que tenho certeza que os executivos da Disney nunca se imaginaram capaz, e isso faz com que o filme mesmo contendo uma história simples, porém muito bem feita, seja ainda melhor para quem for fã de animações e for levar alguma criança para conferir (afinal não podemos assumir que vamos sozinhos ver Tinkerbell não é mesmo, no meu caso levei minha irmã que é fã das fadinhas!!!).

A história nos mostra que divertida e talentosa, Fawn é uma das fadas dos animais que acredita que não se deve julgar um livro pela capa, ou os animais por suas presas. Um dia, ela acaba se tornando amiga de uma criatura enorme e misteriosa conhecida como o Monstro da Terra do Nunca, e tenta convencer Tinker Bell e seus amigos de que o bicho não é o que eles pensam.

Embora vamos descobrir, de forma simbólica, a história real do bichão, o longa inteiro dá para ligar os pontinhos facilmente e entender tudo que é mostrado, afinal foi feito para crianças e não poderiam forçar tanto a barra. E dessa forma acertada, o roteiro simples e bem elaborado consegue convencer nos envolvendo com uma história bonita, que acaba sendo criada pela amizade da fadinha com o bichão e todo o desenrolar da trama. O diretor e roteirista Steve Loter, entra para dirigir seu primeiro filme da saga que já computa 6 filmes, e foi sábio ao trabalhar com foco em menos personagens do que a trama anterior, tanto que Tinker acaba quase não sendo importante para esse longa, e isso não é ruim, afinal não é porque o longa leva seu nome que a fadinha verde necessita estar aparecendo sempre, mas isso com certeza foi um risco que ao escolher muitos no estúdio devem ter lhe chamado de maluco, porém como a fadinha Fawn é carismática suficiente e a protetora Nyx também trabalhou de forma crível, tudo ficou bem feito e com o bichão em cena ninguém tem nem como tirar os olhos dele.

Volto a falar que não conseguimos tirar os olhos do bichão por vários motivos, e o principal é sua textura de pelos incrível e que mesmo sendo uma animação computadorizada, com auxílio da tecnologia 3D posso dizer crivelmente que quase conseguimos sentir o tão macio que é, parecendo quase um daqueles ursos de pelúcia bem fofos, e dessa forma posso dizer que finalmente atingiram o patamar que precisavam para mostrar pelos em um filme. Claro que o protagonista chamado de Ranzinza não é só texturas, e o carisma da sua personalidade é algo que faz com que todos se divirtam e emocionem, de maneira que a proposta do filme funcione bem. A fadinha meio amalucada Fawn também possui um carisma bem bacana, e cantando as suas canções saiu bem colocada, agradando nas situações que acaba se envolvendo e foi desenhada com formas muito bem trabalhadas, assim como as demais fadas, todas tento cabelo bem ornado e que repito mais uma vez, mostrou que a técnica de animação escolhida dessa vez foi algo que podemos esperar no próximo filme da Disney um primor monstruoso. Outro personagem que chamou atenção foi a fada protetora Nyx que demonstrou muita coragem para os pequeninos e chega a ser até rude demais em alguns momentos, mas se os pais souberem explicar o desfecho para as crianças, servirá de um ótimo exemplo. As dublagens foram feitas com vozes bem gostosas e suaves, dando um tom para os personagens bem interessante, que acaba funcionando na medida.

Sobre o quesito artístico, dessa vez não temos diversos locais para serem explorados, afinal ficamos reclusos quase que integralmente na floresta aonde o bichão vive, mas com muitas árvores e pedras, temos algo bacana e bem colorido para que os personagens desenvolvam suas ações e junto com eles pudéssemos ir conhecendo cada um e o motivo completo da história para aonde vai terminar. E claro que o pessoal da fotografia digital fez um colorido bem vivo para realçar seu trabalho e chamar atenção nos pontos que eram chaves da trama, um luxo total, que ainda vamos ver muito nos próximos episódios da saga. Sobre o 3D, posso dizer que funciona na maior parte do filme, já que muitas cenas são com os personagens voando, mas a tecnologia funcionou mais como uma conexão para que o visual ficasse super realista, isso não tenho dúvida alguma.

As canções dessa vez foram mais tristes, mas isso não atrapalhou em nada o desenvolvimento da trama, muito pelo contrário, servem para auxiliar na emoção que querem passar para os espectadores, e como todo filme Disney que se preze, funcionam e são bem bonitas.

Enfim, mais uma vez acertaram na saga fazendo algo muito bonito e que vale a pena ser visto e compartilhado com a garotada. A saga só vem crescendo, e para todos assim como eu que achava que logo colocariam ela encontrando Peter Pan e encerrando a história, podemos com certeza tirar o cavalinho da chuva, pois devem arrumar ainda muitas outras histórias no meio do caminho para desenvolver e agradar os pequeninos que anseiam mais filmes. Bem é isso pessoal, recomendo ele com certeza, talvez alongaria um pouco mais para contar mais a história de outras fadinhas, mas como disse, ainda deve vir muitos outros filmes, então, como produtores querem dinheiro, filmes de 78 minutos é o que vão nos entregar. Fico por aqui agora, mas ainda irei conferir mais um longa hoje, então volto mais tarde com minha opinião sobre ele. Abraços e até lá.


3 comentários:

Juliana Reis Coelho disse...

Lindinho o filme, mas vc esqueceu de comentar sobre a menininha de dois aninhos que estava do nosso lado que assistindo o filme inteiro de pé quietinha prestando uma atenção enorme no ranzinza e no final ate dançou na musiquinha dos créditos e nao queria ir embora..rs

Fernando Coelho disse...

Rsss... se eu falar de tudo que ocorre nas salas minha cara irmã, estarei com os textos lotados, mas a menininha foi engraçado de ver mesmo!!

Juliana Reis Coelho disse...

Soh para constar o nome do bichão eh Ranzinza

Postar um comentário

Obrigado por comentar em meu site... desde já agradeço por ler minhas críticas...