X-Men: Dias de um Futuro Esquecido em 3D

5/23/2014 02:53:00 AM |

Existem diversas pessoas que são contra reinícios de franquias, mas não consigo imaginar "X-Men" sem ter apagado todos os erros que tiveram nos primeiros filmes, e começado com algo novo que agora pode seguir totalmente com novos rumos agradáveis e bem mais interessantes do que o que já tínhamos visto no passado. E se em "Primeira Classe" já havíamos começado a gostar muito do que foi apresentado, com "Dias de Um Futuro Esquecido" a franquia consegue fazer a proeza de unir velha e nova geração ligando praticamente todos os filmes em algo que se você piscar o olho é capaz que perca todo o rumo e acabe não entendendo algum momento, pois conseguiram fazer um filme de muita história para ser contada caber de forma coesa e dinâmica em apenas 131 minutos.

O filme nos mostra que no futuro, os mutantes são caçados impiedosamente pelos Sentinelas, gigantescos robôs criados por Bolívar Trask. Os poucos sobreviventes precisam viver escondidos, caso contrário serão também mortos. Entre eles estão o professor Charles Xavier, Magneto, Tempestade, Kitty Pryde e Wolverine, que buscam um meio de evitar que os mutantes sejam aniquilados. O meio encontrado é enviar a consciência de Wolverine em uma viagem no tempo, rumo aos anos 1970. Lá ela ocupa o corpo do Wolverine da época, que procura os ainda jovens Xavier e Magneto para que, juntos, impeçam que este futuro trágico para os mutantes se torne realidade.

Como falei no início, temos história a rodo para ser contada e mostrada, principalmente por misturar idas e vindas no tempo, e juntar a arrumação da casa com todos os demais filmes da franquia, de forma que se você pensar em fazer qualquer outra coisa que não seja prestar atenção em tudo que o filme está lhe propondo, é certeza de perder qualquer detalhe e talvez até não gostar de tudo que será mostrado. O filme usa de base a HQ de mesmo nome, mas claro como todo filme usa da liberdade criativa para mudar alguns fatores, então claro que teremos aqueles chatos de sempre que vão reclamar de muitas coisas, mas se você é como o Coelho que o que interessa é um bom filme, pode se preparar para no final ficar com aquela vontade de aplaudir o que foi mostrado, pois ao subir dos créditos toda a ligação que o diretor Bryan Singer faz é tão boa que só aplaudindo mesmo para não chorar por ter de esperar a continuação prevista para daqui 2 anos. A forma grandiosa da produção é algo que impressiona, pois temos ação, temos história, temos contexto de época(com alguns furos, mas tudo bem passa), e claro que temos atuações perfeitas, de forma a exaltar o trabalho de direção para condizer completamente com o que o filme quis passar e agradar, ou seja, toda a expectativa criada, e que esse Coelho que vos digita estava morrendo de medo por sair o diretor que tanto havia adorado no "Primeira Classe" e voltar um que fez até 2 bons filmes, mas que não tinha me convencido de gostar dos mutantes, acabar sendo até mais bem cumprida do que o esperado.

Se é que podemos colocar algum defeito no filme, é o exagero de mutantes colocados na trama que assim como aconteceu em "O Confronto" muitos acabam aparecendo e nem são chamados pelo nome, ou seja, acabamos tendo de saber quem são apenas depois pesquisando sobre eles, afinal ninguém é obrigado a conhecer todos os mutantes do Universo. Mas os que possuem falas compensam por agir de forma interessante e bem colocada na trama, então vamos falar dos principais um pouco. Hugh Jackman já está definido como o nome forte do grupo desde o início da franquia, e ao ganhar longas solos se consolidou mais ainda, claro que logo mais seu cachê deva chegar num teto absurdo para os produtores, ou talvez, até mesmo como já disse não queira mais ficar tão marcado pelo personagem e saia das próximas produções, mas o que podemos pontuar é que o cara é muito bom no que faz e agrada com trejeitos cômicos fortes e ação na medida que o personagem pede, de forma que embora queira mostrar ser o ator Hugh, metade das pessoas o chamam de Wolverine. James McAvoy foi colocado para fazer o personagem num momento fortíssimo, e sua atuação caiu na medida correta para encantar seja por atos nervosos ou até mesmo situações mais trabalhadas que exigiram da versatilidade do ator em fazer caras e bocas para ser agradável. Michael Fassbender já virou hit em Hollywood e a cada filme seu fica mais evidente suas qualidades e a força nas suas expressões, de forma que aqui por ser destaque em boa parte do longa agrada e muito no que faz, colocando seu Magneto num nível que Ian McKellen, mesmo sendo fenomenal, nunca deixaria o personagem. Jennifer Lawrence, se não estragar com o tempo, há chances de ser daquelas atrizes que já entra em um filme e sem mesmo gravar qualquer cena é candidata à prêmios, pois o que ela faz em cena aqui é algo que sai da realidade, puxando a dramaticidade e esforços físicos num nível impressionante que faz como se tivesse indo apenas treinar com qualquer um, mandando bem demais em todas as cenas. Ellen Page volta bem para um papel trabalhado que até poderia render mais diálogos, mas fica apenas com suas mãos estáticas sofrendo com o que lhe acontece, mas nem por isso deixou de fazer uma boa interpretação do momento. Nicholas Hoult conseguiu entrar em momentos interessantes da trama, fazendo até mais uso de seus diálogos que de uma interação mais forte que poderia ser usada por seu personagem ser forte, então agrada bastante nas cenas que entra. Evan Petters é o personagem cômico da vez, e seus momentos são brilhantes, pena essa briga gigantesca de direitos autorais do nome para que pudesse chamar certinho como é na HQ, pois o personagem é genial e foi um acerto na escolha do ator para interpretar ele, casando as cenas de forma incrível. Peter Dinklage embora faça um personagem importante para a trama, acabou um pouco apagado e até meio fora do tempo nas suas cenas, poderia ter se colocado à frente em mais momentos, pois mesmo sendo uma piada pronta, sua altura não ajuda a aparecer se ele não brigar pela atuação como faz na série mais assistida no momento. Dos demais personagens em sua maioria são pequenas atuações nas cenas de ação e até mesmo Patrick Stewart não tem o destaque que merece no filme, ficando bem em segundo plano só sendo útil na cena do encontro entre os dois Xavier, então nem vale muito do que falar e já falei até demais das atuações.

O conceito visual da trama é incrível e agrada muito por não pesar em elementos soltos e muito menos em ficar preocupada com cada ambientação, pois temos aqui muitos, e quando falo muitos coloque esse número lá no alto, cenários e elementos cênicos importantes para cada ato da trama, e com isso, quem ficar aguardando a cena pós-créditos irá ver que trabalhou muita gente na parte artística do filme, pois para criar tanto os elementos reais, quanto os digitais, tudo foi feito em alta proporção de modo que é raro, tirando a cena interna do futuro, os personagens aparecerem 2 vezes no mesmo lugar, e com isso o nível da produção vai lá nas alturas, agradando demais. O conceito de época ficou bem interessante e bacana de ser mostrado e enfatizado logo nas cenas em que Wolverine volta no tempo, colocando figurinos, carros e utensílios de reportagem bem coerentes com a época em que se passa o filme, poderiam ter trabalhado um pouco mais no interior da mansão-escola de Xavier que embora esteja abandonada, parece bonitinha e futurista demais para o momento. A fotografia trabalhou bem nas cores do filme, colocando o passado em tons mais puxados para o sépia, o qual não foi mantido forte demais para não termos um filme envelhecido, e o futuro todo puxado no vermelho para elucidar o momento forte que estão vivendo, e variando nesse meio do caminho tons de cinza para dar o tom sombrio que o diretor tanto quis para a trama, ficando bem bacana todo o conceito usado.

Quanto do 3D e dos efeitos digitais, reservei até um parágrafo solto para falar mais, pois o filme utilizou de algo que não era nem tão esperado, utilizar o 3D com muita profundidade e elementos saltando a quase todo momento, claro que pra isso o diretor dispensou deixar nas mãos apenas da equipe de pós-produção e levou as gigantes câmeras para filmar diretamente sem necessitar de conversão. E com isso temos uma imersão completa em diversos momentos do filme que junto de bons efeitos visuais criam sensações interessantes para o desenvolvimento da trama. Claro que o filme também pode ser visto em 2D, mas se for possível veja com a qualidade dos momentos de imersão de cena onde tudo parece estar junto de você.

Enfim, falei muito hoje, mas é um filme que daria para falar horas e horas de cada momento, e a cada amigo que converso, cada um viu um detalhe a mais que com certeza irá passar despercebido, então irei rever o filme em breve e talvez volte aqui para falar mais algo que tenha me impressionado. Claro que recomendo muito o filme e mais uma vez agradeço todo o pessoal do Cinépolis Iguatemi aqui de Ribeirão Preto, por proporcionar um evento de tamanha magnitude com um filme que não poderia ser de grandiosidade diferente. Fico por aqui agora, mas nessa semana ainda tenho mais duas estreias para conferir, então abraços e até breve pessoal.


8 comentários:

Tato Mansano disse...

Melhor filme do ano até agora!!! Concordo com vc sobre o número de mutantes, mas acredite, perto das HQs, não tem nem uma fração deles aparecendo ali. E é isso que fã gosta, de ver o maior número de mutantes conhecidos aparecendo! Pra mim a única falha foi a pequena participação da Tempestade, mas como a dona Halle tava grávida, não foi possível! Ainda estou impressionado com o filme e quero ve-lo mais umas vinte vezes kkkk E a melhor cena, sem dúvida, é a do Mercúrio, que deve aparecer no proximo filme dos Vingadores (espero que o mesmo ator)

Anônimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=tZywJkubqRA cena pos credito

ATREVIDO2014 disse...

Realmente o filme é muito bom !!!
aproveitei a promoção que rola toda segunda-feira ...
ai ficou melhor ainda.

Fernando Coelho disse...

Olá Tato, realmente um filme fod%$%$ demais que empolgou tudo. Para fãs vale mesmo aparecer muitos mutantes, mas pra quem não conhece todos fica um pouquinho difícil. Quanto a cena do Mercúrio é animal e não vou cansar de rever ela quando lançar em bluray, e esperaremos muito que ele apareça nos demais filmes. Abraços!

Fernando Coelho disse...

Obrigado Anônimo pela cena pós-créditos!

Fernando Coelho disse...

Olá Atrevido2014, ver filme bom sempre é bom, com promoção é ainda melhor! Abraços!

mauro avelino disse...

FILME HORRÍVEL ! 3D SUPER FRACO .

Fernando Coelho disse...

Olá mauro! Cada um tem um gosto por filmes, e já disse aqui outras vezes, que nenhum filme se avalia pelo 3D, mas não sei com que qualidade assistiu, pois o 3D desse filme está perfeito. Abraços!

Postar um comentário

Obrigado por comentar em meu site... desde já agradeço por ler minhas críticas...